segunda-feira, 20 de julho de 2009

AMARELA


Tudo desenvolve-se como um samba, poesia, ritmo e malandragem, sempre achei que sentimento é um pacote de outras açoes e relaçoes, que como no caos diminui até sumir a capacidade humana de raciocina-la, sugiro uma confusao caro leitor, pense voce num sentimente referente a este momento... encontro talvez, uma ansia de redundância com gotas de emipirismo. Mas longe de um conceito. Perplexo so vejo ela amarela na minha frente causar-me confusão, enganando-me como criança que finge doença pra não ir a aula, é assim que me sinto quando as pétalas digo, roupa caem uma a uma, fico em nervos de ve-la desprovida de lucidez institucional. Sabe quando voce externa-se sempre pela necessidade de ser maior? nada vale quando ela te olha e rir, não pense que derramo melancolia, são palavras que doem em mim po-las aqui, duras como o vento da madrugada, mas felizes como o som que deles ecoam. Sabedoria, precisava ter nome assim? Edonista como uma bela filha de Atenas morena. Diga-me se precisava? O que vc quer de mim ? certeza? Tenho que te quero, explode como uma agonia isso da minha quente garganta te quero flor amarela, minha flor amarela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário